sexta-feira, outubro 07, 2011

Guarda Municipal de São José Pinhais - Pr, encontra assaltantes, mas tem que parar perseguição no limite de municípios

Burocracia atrapalhou


Daniel Castro e Luiz Henrique de Oliveira

Uma questão burocrática atrapalhou o trabalho da Guarda Municipal de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (RMC), nesta quinta-feira (6).
Bandidos assaltaram o supermercado Nivaldo, no bairro Borda do Campo, às 11h30. Durante a tarde, a viatura da Guarda foi acionada e passou a perseguir os assaltantes após os encontrar no Jardim Guatupê, no Gol branco usado na ação criminosa.

Os dois carros percorreram a BR 277 no sentido Curitiba, mas quando chegaram à capital, o veículo dos criminosos, que havia colidido com outro carro, pôde seguir livremente. Isso porque uma determinação impede que a Guarda Municipal de São José dos Pinhais atue em Curitiba. A guarda Selma, que atendeu o caso, relatou sua frustração à Banda B.

“Ficamos amarrados, não podemos fazer nada em Curitiba porque não temos autorização. Estávamos perto de capturá-los, mas infelizmente eles conseguiram liberdade. Entramos em contato com o 20º Batalhão, mas já não adiantou”, disse.

“Determinação do judiciário”

A reportagem entrou em contato com o coronel Altair Mariot, diretor da Guarda Municipal de São José dos Pinhais. Ele explicou que essa determinação vem do judiciário e é seguida por todas as guardas. “Uma guarda é responsável apenas pelo município, independente de estar em perseguição, não se pode passar pelos limites municipais, assim como, por exemplo, a Polícia Militar do Paraná não pode entrar no estado de São Paulo”, detalhou.

Questionado sobre o fato de isso ter atrapalhado o trabalho da Guarda, o coronel disse que existem outros meios para ser efetuada a prisão. “No momento da ocorrência entra-se em contato com a Guarda Municipal de Curitiba e com a Polícia de Militar para ajudar. É assim que funciona e não depende apenas da diretoria da Guarda mudar”, destacou.

Por fim, o diretor da Guarda disse que um plano para mudar isso deve surgir apenas quando a Guarda virar uma Polícia Municipal. “Não depende apenas da GM, mas sim de uma decisão da Secretária de Segurança Nacional, é assim que funciona”, concluiu.